A Trindade, a Cabala e a Alquimia

 

_

O_Alquimista_-_Marcel_Lorange[1] 

Falamos tanto de concretização de objetivos, realização pessoal e prosperidade nesse blog. Algumas pessoas pedem se seria possível falarmos um pouco mais de energias, alquimias, cabala e ocultismo relacionando-os ao desenvolvimento humano. Mas como será que poderíamos relacionar a criação, atração e realização de nossos desejos às ciências ocultas?

Há uns 20 anos atrás eu estava mergulhado em estudos ocultistas e acabei conhecendo as obras de G. O. Mebes, dentre elas o livro “Os arcanos maiores do tarô”. Apesar do meu pouco interesse por assuntos ligados às artes divinatórias na época, eu me interessei por esse livro, pois este resumia muito bem vários temas ligados ao ocultismo. Como eu havia tido uma formação católica em minha infância, eu sempre havia ficado intrigado com o tema da santíssima trindade. Percebi que a trindade era também presente em diversos outros grupos, como por exemplo, dentro da Grande Fraternidade Branca e seus estudos ligados à chama trina. Anos depois, como pesquisador, me deparei novamente com pesquisas sobre a trindade de maneira mais profunda em um seminário do Projeto Portal com Urandir Fernandes de Oliveira. Foi então que percebi que existiam conexões diretas entre a trindade, a cabala, a magia, a alquimia e a realização de nossos objetivos na vida. O objetivo desse texto não é dar respostas prontas. É de explicar para confundir e depois confundir para esclarecer. É gerar um movimento dinâmico entre razão e intuição, gerando um efeito espelho entre o mundo interior e exterior, subjetivo e objetivo, consciência e nível mental.

Começo este artigo citando um resumo do que compreendi na obra de G. O. Mebes sobre esse assunto, para, num segundo momento, adicionar outros elementos conclusivos advindos de conhecimentos adquiridos junto a outros grupos, como por exemplo, o Projeto Portal.

Comecemos pela trindade… A trindade vem do ternário. Os ternários vêm de um binário mais um terceiro elemento que os neutraliza. Alguns exemplos de binários:

Luz              –          Sombra

Ectoplasma  –         Matéria

Pensamento  –        Vontade

Mental           –        Físico

Para passarmos dos binários aos ternários, basta adicionarmos o terceiro elemento neutro. Ficaria assim:

Luz               –        Penumbra        –          Sombra

Ectoplasma   –       Plasma             –          Matéria

Pensamento  –       Desejo             –           Vontade

Mental          –       Energia            –           Físico

O primeiro passo para sair da bipolaridade é inserir um terceiro elemento que promova a neutralização. O ternário evoca o numero 3 (três). A letra do alfabeto hebraico que corresponde é o GHIMEL – ג – e o símbolo geométrico correspondente é o triângulo. Usarei uns símbolos de positivo, negativo e neutro no sentido ilustrativo, relativo e não absoluto, sabendo que na verdade não existem relações dialéticas entre os elementos. Eles (os elementos) se completam e criam o Uno através de uma relação dialógica. Na verdade cada elemento do ternário neutraliza, complementa e contém os outros dois. 

I – Primeiramente iremos seguir o ternário teosófico. Teremos:

Arquétipo          –       Homem            –           Natureza

Podemos ver nele o esquema teológico da trindade divina ou santíssima trindade:

Deus em Deus, ou Deus Pai;

Deus manifestando-se na Humanidade, ou Deus Filho;

Deus manifestando-se na Natureza, ou Deus Espírito Santo.

Essa trindade forma um elemento Uno. Por qualquer um de seus Elementos interligados (Pai Filho ou Espírito Santo) podemos buscar o Uno. Há pessoas que encontram o Uno buscando o Deus Pai por caminhos metafísicos. Há pessoas que encontram o Uno buscando Deus Filho em seus corações formando grupos humanos. Há pessoas que encontram o Uno buscando a contemplação da natureza e a aceitação de suas leis imutáveis. São os que buscam o chamado espírito santo.  Podemos então considerar cada elemento como uma totalidade. Então podemos pegar, por exemplo, a Natureza como totalidade dinamizada pelas Leis Universais. No esquema abaixo a Natureza seria o elemento negativo, a Humanidade seria positivo e o Arquétipo seria o neutro.

cabala 01

II – Continuando, veremos como nós podemos aplicar o ternário ao tempo.  O ternário temporal seria: Passado – Presente – Futuro. Ao mesmo tempo em que podemos dizer que o presente delimita e neutraliza passado e futuro, o presente, enquanto neutro, contém em si os elementos passado (negativo e passivo) e futuro (positivo e ativo). Esses três elementos juntos formam a trindade que representa o Uno do Eterno. O tempo é uma ilusão, ele não existe. Pela física quântica, passado, presente e futuro acontecem ao mesmo tempo. São linhas do tempo que podem ser acessadas a qualquer momento.

cabala 02

III – Aproximando I e II, diremos que o Presente, por analogia, corresponderia ao Arquétipo; o Futuro à Humanidade e o Passado à Natureza. A análise da analogia seria: a Humanidade determina o Futuro, pelo livre arbítrio de sua Vontade coletiva; que a Natureza, regida pelo passado, determina suas manifestações chamadas “Destino”. Seu instrumento é uma Fatalidade inexorável, cristalizada e, portanto, passiva. O arquétipo é andrógino. Esse caráter de harmonia superior reflete a Providência.

cabala 03

IV – A Providência na vida de um ser humano é representada pela Consciência, que seria o elemento neutro. A Consciência não nos empurra e nem nos bloqueia nos caminhos. Apenas o ilumina. Lembrando que em III a Vontade do homem determina o futuro. Adicionamos aqui então os Kharmas e Dharmas que influenciam essa determinação do Futuro. Podemosnão trabalhar com os conceitos de Kharmas e Dharmas e sim com o de Créditos e Débitos  ou de compromissos. Então teremos a nova trindade:

cabala 04

V – Se a Consciência e Energia fazem parte do mesmo binário posto que desenvolvem relações dialógicas (complementares e não hierárquicas), podemos transformar o triângulo acima num triângulo que tenha como elemento neutro a energia. Considerando que cada elemento é ao mesmo tempo Uno e contém os outros dois, podemos criar o próximo ternário apenas com a energia:

cabala 05

Durante meus estudos, me deparei com uma explicação interessante a respeito da trindade, o conceito usado na associação Projeto Portal. Na apostila de julho de 2003 do Projeto portal, temos a seguinte explicação: “O Pai, Filho e Espírito Santo estão dentro de cada um de nós. O homem precisa organizar e manipular esses três itens. A partir do momento que o homem domina esses três, ele torna-se um deus criador. Por isso Jesus Cristo disse que todos nós podemos fazer o mesmo que ele faz e até muito mais. A pessoa tendo conhecimento desses fatos, ela tem poder, tem controle, tem manipulação.

     Pai é o pensamento, a consciência. Ele age no ectoplasma e está relacionado com a 5a Dimensão e as dimensões acima. É aquele que organiza, planeja, discerne.

     Filho é o desejo. Está ligado a 4a Dimensão e age no plasma, que transforma, dá forma, impulsiona.

     Espírito Santo é a vontade. Age no físico (3a Dimensão). Está relacionado diretamente com a atuação na matéria (realização), e a kundalini, corpos e 7 fases de treinamento (7 camadas da aura / 7 estágios evolutivos). O desejo é algo mais sutil que a vontade.

VI – Segundo a visão de Urandir Fernandes de Oliveira, ufólogo e presidente da associação Projeto Portal, aos olhos dos  parceiros e consciências superiores,  a santíssima trindade é o pensamento (pai), desejo (filho) e a vontade (espírito santo), na realidade a vontade não é o espírito santo, mas sim a mãe. Deus é pai e mãe (+ e -), depois filho. Chamamos o principio positivo ou masculino de Iod (10ª letra, valor numérico 10) . Chamamos o principio feminino de He (5ª letra, valor numérico 5). Da fecundação do feminino pelo masculino surge o terceiro elemento, o neutralizador do binário, chamado Vau (6ª letra, valor numérico 6). Então: Pai = Iod, Mãe = He, Filho = Vau.

cabala 06

O principio ativo expansivo masculino Iod fecunda o passivo atrativo feminino He. Dessa união nasce o principio neutro andrógino Vau, que transmite ao plano inferior tudo o que recebeu do superior. Quando esse esquema se realiza, surge a idéia de família, ou seja, a idéia de um ciclo completado de manifestação. Como já dissemos anteriormente, esse núcleo familiar, embora composto, atua como uma unidade independente. Quando desejamos expressar o fato de que o ciclo Iod He Vau foi concluído, colocamos após as três letras uma quarta, um segundo He, passivo, confirmando o encerramento do ciclo. O quaternário do ciclo elementar ou a família do ternário corresponde ao terceiro grande nome de Deus: Iod-He-Vau-He הו הי. A Cabala atribui a este nome uma força milagrosa. Se a nossa unidade composta representada pelo segundo He exerce alguma influência sobre algum elemento no mundo exterior, ou seja, quando esse ciclo elementar condiciona um novo ciclo, existe uma transmutação do segundo He num Iod do ciclo seguinte.

cabala 07

Onde:

Iod  – י – princípio masculino, o enxofre (alquimia), o elemento fogo;

He   – ה – princípio feminino, o mercúrio , a água;

Vau  – ו – força equilibrante, o Azoto, Deus manifestando por sua vontade eterna, ar;

He   – ה – a autoridade sintética do estado, a terra.

Todo aquele que realizar esta síntese chamar-se-á  Shin (21ª letra, valor numérico 300, ambos dentro da lógica 3),  ש, e será הו ש הי. O Shin é o aspecto  da Egregora capaz de atrair e manter aqueles que com ela tiverem afinidade (discípulos ou seguidores).

VII – Esquema do primeiro quaternário da esfera transcedental

AINSOPH (Nirvana) – Iod – He – Vau – He

O principio Uno inacessível, que corresponde a AINSOPH manifesta-SE pelo elemento masculino Iod, elemento fecundante, expansivo, radiante chamado AMOR UNIVERSAL. Esse elemento Iod (amor Universal) delimita em si o seu aspecto passivo, atrativo – o Principio Feminino – chamado RESTRICTO ou VIDA UNIVERSAL. Então o mais alto Iod (Amor Universal) fecunda o mais alto He (Vida Universal) e nasce então o elemento Vau da primeira família: o LOGOS. As emanações primordiais desse último Elemento constituem o segundo He da primeira família, que forma a passagem ao mundo transcendente “Olam há Aziluth” da Segunda Família. Daí o motivo da vida ser um elemento feminino.

  VIII – Utilizando as informações do projeto Portal referentes à Santíssima Trindade:

8.1 Peguemos então a frase : “Deus é pai e mãe (+ e -), depois filho” (VI).

8.2 Peguemos  também as informações vistas acima (VII).

Aproximando  VI e VII , temos a idéia de  um Deus (Figura 1) pai (Iod), mãe (He) e Uno (Triângulo)  ao mesmo tempo que gera um filho (Vau)  andrógino ou bipolar (Figura 2) que emanará suas vibrações criando a vida (quaternário do ciclo elementar) (Figura 3), teremos:

cabala 08

A figura 1, representada pelo Iod-He e correspondente ao numero 3, é conhecida como o “Ternário do Grande Arcano Metafisico, ligado à parte mental ou à 5ª dimensão. A Figura 2, representada pelo Vau e correspondente ao numero 2, é conhecida como o Binário da Rota ou Turbilhão, ligada à dualidade, à parte astral ou 4ª dimensão. A figura 3, que corresponde ao numero 4, é o quaternário da rota elementar ou o mistério da realização ou 3ª dimensão, o mistério do ponto de apoio, ligado ao mundo físico e que representa o segundo He. As figuras 1, 2 e 3 correspondentes à nossa aproximação de VI e VII, quando alinhadas, tomam a seguinte forma:

cabala 09

Esta imagem é um símbolo muito conhecido dos iniciados em ocultismo e na magia e é chamado “O Grande Arcano da Magia”. O Grande Arcano pode ser aplicado tanto no macrocosmo (universo) quanto no microcosmo (ser humano). É costume completar a representação gráfica com o alpha (α ou Α) e o omega (ω ou Ω); o Aleph א e o Tau ת; o A e o Z. a palavra formada por essas representações simboliza a Síntese Universal e é a divisa da Escola Alquímica.

Reparem que a combinação das figuras 1 e 2 nos fornece os elementos 3 + 2 que correspondem ao pentagrama evolutivo. Assim, o grande arcano da magia também pode ser representado da seguinte forma:

pentagrama-1_xl V2

Outra observação interessante é que a figura 3 representa os 4 elementos, mas estes também compõem a figura 2 que representa a dualidade:

elementos

IX – Pela prática no Projeto Portal, percebemos que muitos conhecimentos perdidos da humanidade podem ser redescobertos utilizando-se outras chaves. E muitas dessas chaves já nos fornecem o conhecimento prático, sem que a gente precise passar pelos simbolismos do ocultismo e mistérios de antigas escolas.

Esses conhecimentos práticos podem ser usados para uma interação com as 9 Dimensões, e suas 9 Sub-Dimensões. Na 3a dimensão cada uma dessas Sub-Dimensões está relacionada com um degrau da escala evolutiva. Lembremo-nos que a manipulação das linhas do tempo é a base para a manipulação das leis universais e que em cada dimensão existe 9 feixes de luz, cada um equivalente a uma das 9 sub-divisões da dimensão.

Como podemos perceber o 9 esta bem presente na chave que nos da acesso às leis universais. A ênfase do 9 é sua decomposição em 9 = 3 + 3 + 3.

cabala 10

Se as decomposições em dois definem a iniciação e apontam os meios para alcançá-la, a decomposição em três números determina os graus hierárquicos da própria iniciação. Na escala iniciática discernimos três ciclos, e em cada um deles, três subdivisões, ou seja três graus. Na apostila do Projeto Portal encontramos a seguinte informação: “No Cosmo existem infinitas dimensões, mas para o nosso entendimento convém dividi-las em 9 principais Dimensões, cada uma por sua vez, dividida em 9 Sub-Dimensões. Na 3a dimensão cada uma dessas Sub-Dimensões está relacionada com um degrau da escala evolutiva.”

A figura do triângulo com um três em cada ponta é como um triângulo ligado a três triângulos, um em cada ponta. Desenvolvendo essa figura, teremos a seguinte figura:

cabala 11

Temos então 9 esferas que podem representar:

– as 9 dimensões e suas interações (portais)

– os 9 feixes de luz das linhas do tempo, sendo 3 positivos, 3 negativos e 3 neutros.

– as 9 iniciações (trabalhos em 9 etapas)

– os 9 ciclos (cada circulo é um ciclo)

Os três ciclos com três graus cada representam as três bolas dentro de três bolas. Os dois casos nos fornecem a composição pelo 3 + 3 + 3 = 9. Esse mesmo 9 pode ser decomposto de uma outra maneira: 9 = 3 + 2 + 4. Sua Esse nova decomposição nos da a leitura parte mental (3) + parte astral, dual ou extrafisica (2) + parte elementar (4). Temos novamente o Grande Arcano da Magia.

cabala 12

A primeira parte deste arcano é um triangulo que representa também a trindade. Quando o individuo domina a parte mental ele consegue manipular as outras 2 partes também. Ou seja, utilizando nosso mental para manipular os segredos da santíssima trindade temos a chave para acessar as linhas do tempo e manipular as leis universais.

Lembrando que para se criar é preciso estar no “agora” que é o momento onde captamos a ressonância do eterno. (Ver texto “Vivendo no presente“).

cabala 14

Quando sentimento está coerente com pensamento e este, por sua vez, está coerente com a atitude, então as frequências geradas atingem um estado vibratório e um padrão energético é enviado ao cosmos, sendo por ele multiplicado e devolvido. Este é o processo da criação.
cabala 13

Em nosso texto de Conexões universais, veremos uma aplicação de maneira bem pragmática de todos esses conceitos, vivendo sempre no agora.

O processo de Transformação existencial trabalha também sobre todos esses fatores. Se tiver interesse no processo, basta entrar em contato comigo aqui.

* Texto escrito por Otávio Reis